quarta-feira, dezembro 22, 2004

(Up)loading, please wait...

O site do Besonic está em baixo há semanas, por isso vou passar as músicas que lá tinha para o Soundclick (as insónias dão um jeitão). Para já ficam no cimo da lista, depois vão lá para baixo, para o fundo. Podia aproveitar para as modificar ou corrigir, mas por enquanto não o vou fazer: a minha pachorra não chega a tanto.



100% complete. (Click images to download.)

"Lyr" done.
"Lothlorien" done.
"Paraboloidal March" done.
"Prelude" done.
"Feast" done.
"The hope of new beginnings" done.
"Path of Giants" done.
"The Serendipitous Cacophony" done.
"Far from Procyon" done.
"Drowsy Bird" done.
"Looking Back" done.
"Remembering Procyon" done.
"Sad Day" done.
"Stepping Close" done.
"Empire Building Staircase" done.
"Inside the wishing well" done.
"Slowest Lane" done.
"Piannegio" done.
"Tear in the River" done.
"New Age Romantism" done.
"Vienna Chorus Skyjumping" done.
"Life in Procyon" done.
"Splendor in Procyon" done.
Upload complete. Uff.

domingo, dezembro 12, 2004

New Song

"Our Foggy Future". Tem o seu quê de Michael Nyman, diria, salvaguardando as devidas distâncias.

Somos viajantes no tempo. Estranho nevoeiro, este. Olhando para trás, vemos nitidamente o passado recente. O passado envolve-se em bruma, a antiguidade mal se vê. E, no entanto, quanto mais nos afastamos do passado distante, melhor o vemos. Mas, hélas, sabemos cada vez menos sobre o nosso futuro, não compreendemos os tempos que vivemos. Seguimos em frente, com um nevoeiro cada vez mais cerrado, cegos. E cada vez vamos mais depressa, sem controlo do rumo. Parem, quero sair!

quinta-feira, dezembro 02, 2004

New Song

"Diversion Maneuver". É uma happy song. Barulhenta. Calma. Barulhenta. Calma. Barulhenta. Calma. Para ver como é. É uma de ziliões de combinações possíveis. Claro que se eu pretendesse agradar um público vasto as combinações contar-se-iam pelos dedos. Bem, possivelmente esta ficou demasiado barulhenta e demasiado calma no mp3, só quando a ouvir no carro vou saber.

[Adenda - Actualizei no site esta música, no passado dia 4/12 às 21h - as minhas desculpas a quem tiver já fez o download. Após ter feito o "teste do carro", com um fundo de ruído que não tenho no sintetizador em casa, reparei que havia partes que quase não se ouviam.]

Bolas

Um dos sites onde deixo as músicas, o Besonic está em obras e por isso não pude postar o que queria. Bem, fica para outra vez.

quarta-feira, dezembro 01, 2004

Este blog segue dentro de momentos

Ando a descobrir que o caos tem combinações que as canções dos nossos dias desconhecem. Estou a tentar controlá-lo, mas é difícil. Requer tempo e sobretudo não me parece que valha a pena. Meter o caos na ordem, onde é que já se viu? Bem, para já o caos parece divertido, quando puder mostro.

quinta-feira, novembro 25, 2004

Under construction

Eu já disse que as músicas que faço não estão propriamente feitas, estão em fase de crescimento? Oh, pois, já disse, montes de vezes. Convém recordar, de vez em quando. É preciso imaginá-las no futuro, crescidas, adultas, com filharada a crescer também, a cruzarem-se com tudo o que se quiser. Elas estão ainda na fase de semente, podem germinar ou não, não quero prometer nada (promessas causam stress e este é um blog que se vai fazendo, como as músicas, nas calmas).

segunda-feira, novembro 22, 2004

New Song

"Marble Giant". O gigante não é polido, mas esforça-se por não pisar as flores. O tempo encarregar-se-á de o esculpir.

P.S. - O som não tem nada a ver com os Young Marble Giants. A forma como ele foi obtido, com um mínimo de recursos, isso acho que sim. O título, esse, não partiu dos YMG, mas de alguma maneira foi lá parar.

segunda-feira, novembro 01, 2004

Halloween

Só para avisar que este blog vai ter de ficar a aboborar um bocado. All work and no play makes Jack a dull boy. All work and no play makes Jack a dull boy. All work and no play makes Jack a dull boy...

segunda-feira, outubro 04, 2004

Problemas existenciais

Eu sei que não devia fazer isto. Não se pode ver o quadro antes do pintor o acabar, não se pode ouvir a música antes dela estar terminada. O homem das cavernas já o sabia: "só mostro a parede quando ela estiver pronta, antes não". Porque é que eu não sei isto? Eu e a minha curiosidade em ver o que está do outro lado da tela do pintor, em todas as fases da pintura... Como é que se cria? A arte é arte antes de estar acabada? Faz sentido deixar as pessoas a imaginar como seria a obra se estivesse pronta? Ou a perguntar se aquilo é o produto final ou não? Se virmos como se está a fazer a pintura, podemos ver logo que ela não vai prestar? Se se estraga o efeito surpresa está o caldo entornado?

E esta ideia de deixar as coisas para os outros ouvirem, alterarem, fazerem o que quiserem, desde que criem. É um disparate, se for a ver. Mas há por acaso obras-primas universais que tenham sido feitas em grupo, por iterações, observadas pelo público? O Linux é para aqui chamado alguma vez? Não, as pessoas que querem realmente criar criam tudo, desde o princípio, não há gozo em recriar o que outro fez, isso só se faz hoje em dia pelo dinheiro.

OK, isto não se deve fazer. OK, eu faço.

domingo, setembro 19, 2004

T.S.C. in a nutshell

Se só agora deu com este blog, aqui vai um breve introdução. O autor diverte-se com o seu sintetizador. Descobriu a liberdade de fazer o que lhe apetece e finge que é músico e tem um grupo. Descobriu que se diverte muito mais se:

- não tiver que ter coerência no que faz
- não tiver que fazer boa música
- não pretender agradar
- não tiver de se publicitar
- não tiver de corrigir todos os erros que faz inevitavelmente
- não tiver que escrever sempre no blog, ou fazer uma nova música periodicamente
- não pretender ser músico.

Não se espere nada deste blog ou do grupo. Ele é uma ferramenta para o autor se conhecer, pode durar toda uma vida. O autor nunca imaginou que fosse fazer desta música. Deixa-se ir e diverte-se (espanta-se) com alguns sons que que saiem. As músicas que deixa online são para acabar, se puder, sem promessas, sem stress. O autor fala na 3a pessoa, o que é mau sinal.

O autor descobriu a liberdade. Liberdade de não ter de fazer música segundo as regras ou de não ter de escrever os posts do blog com todo o cuidado. Curiosamente, agora que descobriu a liberdade, quase não tem tempo para ela.

New Song

"Pig Dreams", feita agora. Como serão os sonhos dos porcos, aqueles que comemos? Serão belos e grandiosos, contrariamente ao espaço que lhes damos para viver? Não faço ideia como me surgiu esta pergunta ao ouvir esta música, mas aconteceu.

quinta-feira, agosto 12, 2004

New version

"The C.L.O.U.D. Movement (skeleton)". É giro desconstruir. Pegar fogo à fénix para vê-la renascer (mas não sou nenhum pirómano - só queimo música!). Como será o esqueleto de uma nuvem? Suave e delicado, imagino. Visto com raios X vêem-se melhor as imperfeições, mas eu não me importo.

quarta-feira, agosto 11, 2004

New Song

"The what's its name song". Esta começou esta noite, não sei bem como. Depois, fui juntando uns pózinhos. Depois ainda, ficou online. Como sempre, se repetisse, não saberia fazer igual. De resto, nem saberia voltar a tocá-la (ai ai, não devia dizer isto). O que vale é que há o botão "Play".

Criar

É tão bom criar só por criar... mesmo que sejamos os únicos a ouvir... mesmo que não gostemos do que ficou, mesmo que não saibamos o que fizemos, mesmo que o que fizemos não esteja acabado... É tão bom termos total liberdade para fazer o que nos apetece, sem pensar muito no resultado final... sem compromissos, obrigações, espectativas... que saia o que calhar, acabe-se quando se quiser, continue quem quiser!

sexta-feira, julho 30, 2004

sexta-feira, julho 16, 2004

segunda-feira, julho 12, 2004

Não,

este blog não morreu. Anda belo adormecido, com a persiana de scroll perra, não vai nem para cima nem para baixo. Bem, para baixo vai. O futuro, que escorrega pelas paredes do écran enquanto traz os posts, anda com falta de tempo e deixou de fazer a manutenção. Vou ter de lhe puxar as orelhas. Afinal de contas, o blog ainda está na garantia (mas por pouco tempo, está quase a fazer um ano...). Mas ele não perde pela demora, vai ver (e ouvir).

domingo, junho 13, 2004

quarta-feira, maio 12, 2004

Dali, comemorando 100 anos e um dia

"Surrealism is myself."

"I believe that the moment is near when, by a procedure of active paranoic thought, it will be possible to systematize confusion and contribute to the total discrediting of the world of reality."

"It is good taste, and good taste alone, that possesses the power to sterilize and is always the first handicap to any creative functioning."

"Those who do not want to imitate anything, produce nothing."

sábado, maio 01, 2004

New Song

Pssst! Lá vem "The New Boss", esse camelo.

Evolução

As músicas que aqui deixo nunca estarão acabadas. Não é só pela falta de tempo: é também porque gostaria de as ver evoluir. Pode ser uma má ideia, mas paciência, é o que sai...

Tanto eu como qualquer outra pessoa as pode fazer evoluir, elas são livres. Quando e se puder, tentarei melhorar aqui e acolá o que me apetecer, mas é natural que prefira ir explorando outros cantos. Até porque quanto mais ouço uma música, mais difícil é alterá-la: parece que me vou habituando a que ela seja assim, mesmo que esteja cheia de erros (mmmm.... o que são erros?). É estranho, porque ao princípio é ao contrário: há tantas possibilidades que não sei por onde ir, sou esmagado pela variedade de caminhos ("Exercising the Alphabet" é um ténue exemplo disso).

Muitas músicas precisam que se lhes desbaste a trunfa, outras estão carecas. Umas precisam de um capachinho, outras de um mohicano ou de restaurador Olex. Nestes tempos tenho descoberto que fazer músicas é como pintar um desenho, cozinhar, cortar o cabelo ou compôr um ramo de flores. São uma série de transformações, onde o que se faz condiciona o que se vai fazer a seguir (bem, de vez em quando umas extinções de dinossauros também são úteis...). Como tudo na vida, não é? Pois...

Bem, o que eu queria mesmo dizer é: tudo isto irá evoluindo lentamente no tempo. Há músicas que revisitarei, se puder. E quem quiser pegar nas músicas e esfrangalhá-las, atirar as notas à parede e construir um belo ramalhete com os cacos (o que digo não precisa de fazer nexo, é uma das liberdades de um blog), esteja à vontade, envie-me um mail.

Evolução... para que o CD esteja sempre em festa, a 500 revoluções por minuto.

sexta-feira, abril 09, 2004

domingo, março 14, 2004

New Song

Ontem, encontrei por acaso um improviso que tinha feito há uns dias atrás e de que me tinha esquecido por completo. Tinha começado a tocar uns acordes, com o sintetizador a gravar, como faço tantas vezes. À medida que toco, vou-me admirando com os sons e tento repetir as partes de que gosto, mas como já não me lembro como as fiz e estou sempre a enganar-me, sai qualquer coisa diferente e a música evolui para outros ambientes. Tenho respeito pelo acaso e deixo-a como está. "Serendipitous Cacophony No. 3".