quinta-feira, novembro 27, 2003

Free, editable music

Nunca é demais lembrar: todos as músicas que deixo no BeSonic* e Soundclick* podem ser igualmente obtidas de graça como ficheiros editáveis, em formato MIDI (standard) ou SVQ (específico do sintetizador que uso). Tenho todo o prazer em enviá-los a quem mos pedir por mail.

Cada música é gravada de uma só vez usando apenas o sintetizador (não há outros instrumentos), pelo que há um ficheiro MIDI ou SVQ por cada música. Quem tiver um Roland Fantom ou compatível pode ler os ficheiros SVQ (que para além da informação MIDI das notas tocadas tem a descrição dos instrumentos, efeitos, etc) e assim consegue tocá-los no sintetizador tal como aparecem no mp3, bastando carregar no 'play'. Como é claro, pode alterar tudo o que quiser nas músicas.

Não pretendo usar as músicas com fins comerciais. Crio por prazer, como hobby, "sozinho, em casa". Apenas acho que em vez de ter as músicas guardadas em casa posso partilhá-las. Quem quiser que altere as músicas de forma criativa e, desde que respeite a EFF Open Audio License, pode até usa-las com fins comerciais. Já agora, uso esta licença apenas para garantir que as músicas possam continuar livres.
[* - Notar que há músicas diferentes num site e noutro.]

quinta-feira, outubro 23, 2003

Elliott Smith, 1969-2003


Soube pelo Alta Fidelidade que Elliott Smith morreu anteontem. Suicidou-se aos 34 anos.
Não sei o que diga, só me lembro de lugares-comuns (ele era genial, tenho todos os discos dele, vou ouvi-los ainda mais, a obra dele não morre, não aceito que acabe aqui...).

domingo, outubro 19, 2003

New Songs

Há coisas estranhas que não se deviam publicar: "Serendipitous Cacophony No. 2" é uma delas. É um improviso com parâmetros de sons tirados ao calhas. Demorou tanto tempo a fazer quanto demora a ouvir. Mas cuidado, possivelmente é melhor não ouvir... São as vantagens e desvantagens da publicação electrónica e da free music.

"The Metronome" é mais normal. Foi uma das primeiras, agora "revamped". Ambas estão no Soundclick.

Agradecimentos...

...à Formiga de Langton e ao Mar Salgado, pelas generosas referências.

sexta-feira, outubro 03, 2003

Eu sei...

...este blogue tem andado muito parado. É mesmo assim, ele é um bocado paralítico. Ando com muito trabalho e os hobbies ressentem-se. Mas do not worry, aos poucos este post descerá e outros se encavalitarão. Este é um blogue resistente ao tempo, dura que se farta e não engelha. Novidades cairão do céu na forma de posts que tudo empurram para baixo.

sexta-feira, setembro 12, 2003

New Songs

Duas novas músicas, 3rd in the system e 6 year old nostalgy.

Já sabem: elas estão num estado preliminar e são livres para quem as quiser alterar, modificar, melhorar, explorar como quiser, inclusive comercialmente (caso alguém ache que vale a pena, o que duvido, mas nunca se sabe - confio na criatividade e na competência das outras pessoas para criarem sons bonitos a partir do que deixo aqui). Claro que o mais natural é que seja ignorado, mas paciência. Elas aí estão, "just in case".

A única coisa que quero garantir é que as músicas possam ser distribuídas livremente. Quem quiser que as ouça e crie algo interessante e novo a partir delas.

quarta-feira, agosto 27, 2003

The Great Giveaway

Este símbolo e este artigo explicam a filosofia do copyleft (que será familiar de muitos utilizadores de linux). Considero que o mesmo se pode aplicar à música, do relativamente pouco que li.

O que pretendo fazer com as músicas que faço ajusta-se aos termos da Open Audio License, da qual saliento esta parte:

EFF's Open Audio License provides a legal tool that borrows from both movements providing freedom and openness to use music and other expressive works in new ways. It allows artists to grant the public permission to copy, distribute, adapt, and publicly perform their works royalty-free as long as credit is given to the creator as the Original Author.

As in the software communities, this license is intended to help foster a community of creators and performers who are free to share and build on each others' work. This also frees their audience to share works that they enjoy with others, all for the purpose of creating a rich and vibrant public commons.


Portanto... usem e criem, se quiserem! De resto, tudo o que fiz está incompleto, em estado bruto. Quantos mais "macacos" houver a experimentar, melhor (não que eu tenha espectativas de serem muitos). Posso fornecer outros ficheiros a quem quiser, mas não garanto disponibilidade de tempo para "support"...

Pouco tempo

Tenho pouco tempo para experimentar combinações. Há o trabalho (que recomeçou e não tem nada a ver com a música), a família, por isso este hobbie que mantive em tempo de férias vai abrandar muito o seu ritmo. O estaminé para distribuir música está montado, era um objectivo para estas férias. Também era preciso explicar umas coisas (ainda faltam algumas) para que as pessoas percebessem que esta banda inventada é uma simples experiência, totalmente amadora e ignorante das lides musicais (irá continuar assim) e sem pretensões de fazer da música um modo de vida ou de subsistência. Vou continuar a deixar músicas no(s) sites, se as achar minimamente interessantes e/ou diferentes e continuarei a usar este blogue.

Há uma única pretensão (e não é pequena): a de eventualmente ajudar alguém a criar novas músicas. Por isso, o que faço está disponível para quem quiser aproveitar e fazer algo de novo.

Criar

Criar não é simplesmente experimentar combinações (de sons, imagens, palavras, ideias, actos, objectos...) e escolher uma que nos agrade?

terça-feira, agosto 26, 2003

Links

Acrescentei links directos para as músicas que estão no Besonic (ver posts mais abaixo). Se se clicar nos nomes das músicas, faz-se directamente o download do mp3. Caso se queira apenas ouvir excertos, é melhor usar o site do Besonic ou do Soundclick.

O Soundclick funciona de modo diferente do Besonic e não sei fazer o link directo para as músicas sem que seja necessário cada pessoa registar-se. Por isso, nas músicas do Soundclick o link aponta apenas para a página onde todas elas se encontram.

Chuto

Algum dia tinha de acontecer. O Besonic achou que já tinha muitas músicas de graça e apenas aceitou temporariamente (14 dias...) a última que lá deixei, que até é bastante easy listening. Chama-se "Poulain libéré".

Já contava com isto e entendo-os até certo ponto. Eles também precisam de fazer negócio para sobreviver e com as minhas músicas todas à borla nada feito. OK, no problem, criei uma conta noutro site semelhante, o Soundclick e a partir de agora vou deixar lá as músicas. Além de "Poulain libéré" deixei uma outra, "Times of Apprehension (ethereal version)".

"Times of Apprehension (ethereal version)" é uma versão lenta de uma combinação de sons que apareceu pela primeira vez pouco antes do início da guerra do Iraque. O título dá conta do facto. Parece-me que algures por estas bandas há outras combinações igualmente interessantes, lentas ou rápidas, que vale a pena explorar. Soa tudo um pouco a certas bandas sonoras de filmes que sempre achei estimulantes, mas tudo aconteceu por acaso, como sempre. Gostaria de ouvir o que alguém com conhecimentos e jeito para a música seria capaz de fazer com estes sons...

sexta-feira, agosto 15, 2003

Update

Já me esquecia... no site estão mais 2 testes: "New Age Romantism" e "Vienna Chorus Skyjumping". O som está bastante pior do que o que sai do sintetizador, não sei porquê. Em parte é porque o Besonic só deixa ter MP3 com 128 kbps, mas isso não explica tudo.

Férias

Este site vai dormir uma semana. Acordará com os olhos bem abertos.

Por acaso, uma baguette...

...dedicou-me este post, onde diz que tenho um projecto de fazer música ao calhas.

Not really... Uso o acaso para criar esqueletos de músicas, sobretudo para me colocar rapidamente num ponto de partida difí­cil de alcançar com a razão. O enchimento do esqueleto até a música ganhar corpo é comigo e reflecte os meus erros e ignorância.

A baguette fala também dos macacos que não conseguem escrever Hamlet nem que tenham todo o tempo do mundo. Mas o meu objectivo não é escrever Hamlet ou a 5a sinfonia, é precisamente não escrever nada que já tenha sido escrito antes. Para reinventar a roda já temos os grupos criados em série e por casting pela indústria discográfica.

Mas esta questão dos macacos é interessante, pois remete para a eterna questão: o Homem é fruto do acaso? Se é, então os macacos devem conseguir escrever o Hamlet, pois criar o Homem a partir de simples moléculas é muito mais complicado. Se não é, então é fruto de quê? De uma inteligência extraterrestre, como alguns pensam? E quem a criou? Deus ou o acaso? Deus joga aos dados?

Infelizmente não tenho todo o tempo do mundo, por isso fiz pouco mais do que escrever a letra S, como os macacos. Mas tenho umas ideias que talvez ajudem a acelerar o processo de busca e espero apresentá-las aqui assim que puder.

segunda-feira, agosto 11, 2003

Talvez um dia...

...eu saiba direccionar a música para onde quero. Tenho objectivos de muito longo prazo, de chegar "where no man has gone before". Há sons que tenho na cabeça e que procuro. Mas há tempo.

E há aquela ideia de tentar exprimir uma ideia, um sentimento, na forma de música. Talvez, um dia. Para já ainda não. A máquina, o erro, a ignorância e o puro acaso comandam-me, e estou a divertir-me com isso.

Se a composição musical é a procura e escolha de uma combinação de notas + parâmetros de instrumentos, porque não fazer essa procura ao acaso? E se aparecerem erros e eles gerarem surpresa, "desconcerto", porque não aceitá-los? Eles não deveriam ser tabu, mas até parece, com a música "perfeita" que se ouve todos os dias...

quinta-feira, agosto 07, 2003

Experimentações

O Anarca Constipado pergunta onde está o produto das minhas experimentações. Ele está aqui, pá. E também no link ao lado do mote deste blog. Clicando na figura preta do lado direito também vai lá dar...

quarta-feira, agosto 06, 2003

Mp3 e Besonic

Quando me resolvi a comprar os cabos que ligam o sintetizador ao computador (Edirol UM-1), vi que fazer mp3 não tem nada que saber: na net há montes de programas que permitem gravar som e exportar para vários formatos. Escolhi o programa Audacity, que faz tudo o que preciso, de uma forma simples e intuitiva. É gratuito (bendita "open-source"...).

Depois, vi que se podia criar grupos no mp3.com e decidi, por piada, inventar um (este). Fiz o upload de 3 ficheiros mp3 mas a coisa ficou por aí­: de graça, não se consegue por lá mais. Pagando, pode-se deixar até 100 mp3, havendo 2 serviços: o platinum ($14.99/mês) e o gold ($4.99/mês). Ou seja, tudo muito comercial, limita-se o acesso a quem não quer ganhar dinheiro (e, sobretudo, dar dinheiro a ganhar). Note-se que esta limitação não é tecnológica, existe simplesmente por razões de mercado e de negócio. Depois, há toda uma panóplia de produtos de promoção, à  base de leilões, onde a lógica é sempre a mesma: paga-se para aparecer nas rádios digitais, no topo das páginas, etc. Não serve para mim, é demasiado business.

Felizmente uma outra banda, os metricks, deram com a minha página do mp3.com e enviaram-me um simpático mail, informando-me de um outro serviço, o Besonic. Como é menos conhecido do que o Mp3.com, preferem facilitar o acesso de modo a ganhar conteúdos. Até agora, consegui lá deixar tudo o que queria, a ver vamos durante quanto tempo. Mas gosto da filosofia: é um sistema criado para cada banda interagir com o resto da comunidade (bandas, fãs, produtores, crí­ticos, etc) de forma a promover-se, usando esquemas gratuitos.

Por exemplo, posso dar uma nota a uma música de outro grupo. Através das estatí­sticas de acesso, esse grupo sabe quem o fez e provavelmente terá curiosidade de ir conhecer o meu grupo. O mesmo acontece com crí­ticas, mailing lists, etc, tudo gratuito. Naturalmente, há também serviços pagos, uma vez que eles têm de sobreviver, mas nada que limite quem apenas deseje partilhar a música que faz, como é o meu caso.

segunda-feira, agosto 04, 2003

Os blogues

Os blogues são cacofonias “serendipitéticas”: uma multidão de vozes dissonantes onde se encontram, por vezes e por acaso, grandes tesouros.

sábado, agosto 02, 2003

Os downloads são de graça?

Sim, e vão continuar a ser. Actualmente estão 18 músicas no site: Bicycle Ride, Lothlorien, Drowsy Bird, Path of giants, Tear in the river, Slowest lane, Lyr, The Serendipitous Cacophony, Pianeggio, Feast, Stepping close, Sad Day, Inside the wishing well, Looking Back, Splendor in Procyon, Life in Procyon, Remembering Procyon e Far from Procyon. Eu aviso aqui quando colocar lá mais.

Porque é que as músicas são todas instrumentais?

Para não acordar a família, que dorme ao lado...

"Gear"

Até agora, tudo foi feito 100% no meu sintetizador, um Roland Fantom Fa-77. Não tenho mais nada, a não ser a ligação ao computador, as colunas e os auscultadores. Os mp3 são criados da forma mais elementar possível, uma vez que sou um perfeito newbie nestas andanças.

Porquê “The Serendipitous Cacophonies”?

Um artista não tem de explicar a sua arte. Mas como eu não sou artista e não chamo ao que faço “arte” (demasiado pomposo – são simples experiências, escolhas de combinações de sons), não tenho problemas em descodificar o nome.

[Clicar aqui para saber o que significa “serendipity” e cacofonia.]

Há uma música que explica a razão de ser o nome. Chamei-lhe “the serendipitous cacophony”. Ela foi “composta” em 3 minutos, sem olhar para o teclado, sem saber o que ia tocar, enquanto eu lia qualquer coisa no computador que tenho ao lado do sintetizador. O resultado ficou gravado e achei uma certa piada. Noutros 3 minutos, juntei uns pózinhos, o mínimo possível, e pronto. O resultado é um pouco cacofónico e foi obtido praticamente por acaso. Não quero mexer mais na música, tenho uma certa admiração pelo acaso com que as coisas nascem.

Tenho feito algo de semelhante com muitas outras músicas: escolho aleatoriamente os sons e os seus parâmetros (o sintetizador permite-me tocar vários sons simultaneamente em diferentes partes do teclado e eu quero que a surpresa para mim seja máxima). Sem saber que sons vão surgir se tocar no teclado, preparo-o para gravar e começo a tocar. Por vezes, não quero saber onde vou começar a tocar e fecho os olhos, para que o resultado seja inesperado para mim. Faço isto para aumentar a diversidade do resultado final, mas vou ter de também diversificar estas técnicas...

quinta-feira, julho 31, 2003

quarta-feira, julho 30, 2003

O que vai ser este blogue - II

No post anterior eu disse diário? Não, isto não vai ser um diário, tenho mais que fazer. Serão umas crónicas da minha ignorância musical, irregularmente espaçadas no tempo.

O que vai ser este blogue

Ainda não sei, mas penso que será uma espécie de diário das descobertas que uma qualquer pessoa sem conhecimentos musicais pode fazer se se aventurar no moderno mundo da música. É mirabolante o que qualquer pessoa hoje em dia pode fazer com os instrumentos electrónicos e a Internet.

Por exemplo, com um sintetizador qualquer pessoa cria em minutos uma música com orquestra completa, ritmos, floreados, etc. Com a internet distribui-se a música em menos de um dia por pessoas no mundo inteiro. Tudo isto à borla. Indústria discográfica para quê?

Também espero informar aqui sobre os novos mp3 que deixe na net, alertar para grupos que ache interesantes e outras trivialidades. Logo se verá.

A internet

A internet permite-me partilhar os sons que faço (ainda não lhes consigo chamar "canções" ou "música"). Não que eu tenha ilusões: o que eu faço não interessa a quase ninguém. Porém, isso não significa que não se possa deixar os outros ouvirem, se eles quiserem. Por isso, deixo tudo de graça em sites na internet para quem estiver interessado/curioso. Basta clicar na imagem do lado direito.

Vamos a isto

Então aqui vai: comprei há uns meses atrás um sintetizador. O meu primeiro e único. Nunca toquei ao vivo nem me interessa vir a tocar. Apenas o comprei porque sempre me agradou experimentar sons, para uso exclusivamente pessoal. Não quero ganhar dinheiro com a música, quero apenas ouvir e criar.

Não tenho especial talento para tocar música. Nunca tive aulas de piano nem sei solfejo. Aprendi a tocar umas coisecas por mim, num piano que havia em casa dos meus pais. Tive umas poucas aulas de viola, mas não tinha a autodisciplina necessária para praticar os exercícios e cedo desisti. Não tinha pachorra e/ou capacidade de memória para treinar uma música dezenas de vezes até deixar de me enganar. Mas admiro quem o consegue fazer.

O sintetizador parecia ser a ferramenta ideal: com ele pode-se apagar, acrescentar, editar todos os aspectos da música até ela ficar como queremos. É tolerante a falhas. E é um manancial de sons. Um achado para alguém como eu. No entanto, devo ser mesmo um caso perdido, porque ainda assim não tenho paciência para corrigir a maior parte dos enganos, falhas de ritmo, etc. Diga-se de passagem que também ainda não li os manuais o suficiente para o poder fazer. Lá chegaremos, talvez... Por fim, acho uma certa piada aos erros, ou talvez seja uma desculpa de mau pagador.

terça-feira, julho 29, 2003

Porque sim.

Porquê este blog? Porque me apeteceu. Mas também porque achei que poderia servir para alguma coisa, ainda não sei bem o quê. Talvez divulgar as minhas estranhas andanças pelo mundo da música. Eu, que não sou músico nem penso vir a ser... E no entanto, graças às novas tecnologias, criei uma banda ou qualquer coisa do género... Enfim, é esquisito. Aos poucos explicarei o que se passa. Essa é talvez a principal função deste blogue.

Porquê este blogue?

Sim, porquê?

segunda-feira, julho 28, 2003

No princípio faltava o verbo

Não sei o que me deu na cabeça para começar este blogue. E não sei porque é que estou a escrever isto, não me lembro de nada para dizer.